SERÁ QUE É POSSÍVEL ADQUIRIR E CONTRATAR DIRETAMENTE QUAISQUER BENS OU SERVIÇOS EM RAZÃO DO ESTADO DE CALAMIDADE PÚBLICA? ... 05 de Maio de 2020
COMPARTILHE:
Como se sabe a regra prevista na Constituição Federal (art. 37, XXI) para as contratações públicas (obras, serviços, compras e alienações) é que estas devem ser precedidas por regular processo licitatório, ressalvados os casos especificados na legislação, que tratam das contratações diretas por dispensa e inexigibilidade.

Dentre as hipóteses de dispensa de licitação relacionadas na Lei nº 8.666 tem-se aquela relacionada a situações de calamidade pública. Mas será que basta a decretação do estado de calamidade para que a Administração possa contratar diretamente quaisquer bens ou serviços sob este fundamento? Vejamos o que prevê o art. 24, IV, da Lei 8.666:

“Art. 24 (...) IV - nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou particulares, e somente para os bens necessários ao atendimento da situação emergencial ou calamitosa e para as parcelas de obras e serviços que possam ser concluídas no prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias consecutivos e ininterruptos, contados da ocorrência da emergência ou calamidade, vedada a prorrogação dos respectivos contratos”.


Observa-se que para a validade desta contratação direta requer-se a presença dos seguintes requisitos: “situação emergencial ou calamitosa; urgência de atendimento; risco; e, contratação direta como meio adequado para afastar o risco”.[1]

Além disso, consoante doutrina de Diogenes Gasparini, segundo essa regra, a liberação do dever de licitar “somente será legítima em relação aos contratos e atos ligados ao estado de calamidade pública, visando combatê-lo ou minorar seus efeitos, e tão-só para a aquisição dos bens para isso necessários.”[2]

Vê-se, portanto, que não é crível que através desta hipótese de dispensa se contratem quaisquer serviços ou bens, mas tão somente aqueles objetos que tenham ligação lógica com a situação calamitosa e que visem combater ou diminuir os efeitos desta garantindo a segurança de pessoas e do patrimônio do órgão ou entidade. Ademais, entende-se que tal contratação direta deve se restringir apenas às situações que exigem pronto atendimento e não podem aguardar o processamento normal de uma licitação.[3]

Assim, em síntese, não se podem realizar contratações diretas com fundamento em calamidade pública para todo e qualquer caso, mas somente para os que reclamam atendimento imediato e se relacionam com a situação calamitosa.

Nesse mesmo sentido também é que se interpretam as regras constantes na Lei nº 13.979/2020, que são direcionadas às contratações relacionadas a objetos necessários para o enfrentamento da atual pandemia ocasionada pela disseminação da COVID-19, sendo oportuno destacar, aliás, que a dispensa de licitação prevista na Lei 13.979/2020 não se confunde com a dispensa por emergência ou calamidade já prevista na Lei de Licitações, conforme explicam Luciano Elias Reis e Marcus Vinícius Reis de Alcântara em artigo veiculado aqui no Blog JML:

“(...) a dispensa de licitação prevista na Lei nº 13.979/2020 é específica para aquisição de bens, serviços, inclusive de engenharia, e insumos destinados ao enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus. Como se verifica, o legislador preferiu fazer uma hipótese nova de dispensa de licitação. Logo, é uma dispensa de licitação por situação calamitosa, porém com fundamento legal e requisitos distintos da ‘ dispensa por emergência ou calamidade geral’ da Lei nº 8.666/93”. (grifou-se)

Nesta nova hipótese de dispensa de licitação já está presumido o atendimento dos requisitos necessários (conforme art. 4º-B da Lei 13.979: I - ocorrência de situação de emergência; II - necessidade de pronto atendimento da situação de emergência; III - existência de risco a segurança de pessoas, obras, prestação de serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou particulares; e IV - limitação da contratação à parcela necessária ao atendimento da situação de emergência), mas de todo modo, também caberá cautela da Administração para demonstrar que o objeto da contratação direta está relacionado ao atual quadro calamitoso decorrente da pandemia pelo coronavírus e que seu objeto se destina a combater ou diminuir os efeitos desta situação.

Para outros objetos que são necessários para a continuidade da execução das atividades da Administração, mas que não relacionados à situação de calamidade, o dever de licitar persiste, salvo se for possível enquadrar a contratação em outra hipótese de dispensa ou inexigibilidade, se presentes no caso concreto os requisitos exigidos por cada espécie.


[1] FERNANDES, , Jorge Ulisses Jacoby.Contratação direta sem licitação, Editora Brasília Jurídica, 2000, p. 343.
[2] GASPARINI, Diogenes. Direito Administrativo, 13ª ed. São Paulo: Saraiva, 2008, p. 527.
[3] A respeito, oportuno o seguinte apontamento do TCU ao tratar da dispensa de licitação emergencial: “não se admite o pressuposto fático teórico como argumento para a contratação urgente por dispensa, pois a emergência tem que ser concreta e imediata a exemplo do desabamento de parte do muro de um presídio, possibilitando a fuga de presos. Nessa hipótese estaria autorizada a contratação por dispensa, apenas para as obras e serviços necessários à contenção da situação emergencial, sem prejuízo de realizar processo licitatório para reformar todo o muro do presídio à posteriori.” TCU. Acórdão 330/2004. Plenário

COMPARTILHE:
!
A opinião emitida nos textos é de total responsabilidade de seus autores e não corresponde, necessariamente, aos entendimentos do Grupo JML.
COVID-19 // 03 de Agosto de 2020
A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL DA AGENDA POLÍTICA
Por: Wesley Vaz.
leia mais
COVID-19 // 29 de Julho de 2020
PERDA DA EFICÁCIA DA MP 927/2020
Por: Diego Ávila.
leia mais
Obras // 28 de Julho de 2020
OS TIPOS DE EMPREITADA PREVISTOS NA LEI 8.666: VOCÊ SABE QUANDO UTILIZAR CADA UM DELES?
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado.
leia mais
SRP // 24 de Julho de 2020
SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS. COTAÇÃO PARCIAL DOS ITENS LICITADOS. QUANTIDADE MÍNIMA.
Por: JML Consultoria.
leia mais
Dispensa de Licitação // 22 de Julho de 2020
A CONTRATAÇÃO DE CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO SISTEMA EAD, COMO SOLUÇÃO PARA TEMPOS DE PANDEMIA
Por: Luiz Cláudio de Azevedo Chaves.
leia mais
Licitação // 21 de Julho de 2020
PROCESSOS LICITATÓRIOS E AS SESSÕES PRESENCIAIS EM TEMPOS DE PANDEMIA
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado.
leia mais
COVID-19 // 16 de Julho de 2020
ESTUDOS AVANÇADOS SOBRE O COVID-19: GOVERNANÇA, COMPLIANCE, GESTÃO DE RISCOS E PROTEÇÃO DE DADOS.
Por: Rodrigo Pironti.
leia mais
Empresa Estatal // 13 de Julho de 2020
NORMAS TEMPORÁRIAS SOBRE LICITAÇÕES E CONTRATOS SOB A ÓTICA DAS EMPRESAS ESTATAIS: A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 926/2020, A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 951/2020 E A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 961/2020
Por: Renila Bragagnoli.
leia mais
Pequenas empresas // 02 de Julho de 2020
COVID-19 E FOMENTO ÀS PEQUENAS EMPRESAS
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
Licitação // 25 de Junho de 2020
PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONATÓRIO DE MULTAS EM LICITAÇÕES E CONTRATOS: BREVE ENSAIO SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 43/2020 DA SECRETARIA DE GESTÃO DO MINISTÉRIO DA ECONOMIA
Por: Luciano Elias Reis.
leia mais
Sustentabilidade // 16 de Junho de 2020
IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO PARA O SUCESSO DAS CONTRATAÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA “S”
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
Sustentabilidade // 05 de Junho de 2020
A SUSTENTABILIDADE NA LEI DAS ESTATAIS
Por: Renila Bragagnoli.
leia mais
Governança // 04 de Junho de 2020
O COMPLIANCE E A GOVERNANÇA DAS EMPRESAS ESTATAIS SOB A ÓTICA DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO
Por: Renila Bragagnoli.
leia mais
Planejamento // 01 de Junho de 2020
AFINAL, POR QUE NÃO SABEMOS PLANEJAR?
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
COVID-19 // 29 de Maio de 2020
CONTRATAÇÕES PÚBLICAS EM TEMPOS DE COVID-19: VISÃO CONTEXTUALIZADA DA LEI 13.979/2020 E DAS MEDIDAS PROVISÓRIAS CORRELATAS, BEM COMO ANÁLISE DOS PROVÁVEIS IMPACTOS DA PANDEMIA DO CORONAVÍRUS NOS CONTRATOS EM EXECUÇÃO
Por: Erivan Pereira de Franca e Luiz Felipe Bezerra Almeida Simões.
leia mais
Compras Públicas // 28 de Maio de 2020
“IENIZAR” É A SOLUÇÃO?
Por: Gabriela Pércio.
leia mais
COVID-19 // 25 de Maio de 2020
A ESTABILIDADE CONTRA A CRISE DO CORONAVÍRUS, ESCREVE WESLEY VAZ
Por: Wesley Vaz.
leia mais
COVID-19 // 21 de Maio de 2020
REGIME CONTRATUAL EXTRAORDINÁRIO: UMA ANÁLISE PRELIMINAR DO PL 2139/2020
Por: Gabriela Pércio.
leia mais
Newsletter
Mendes e Lopes Pesquisa, Treinamento e Eventos Ltda.
CNPJ: 07.777.721/0001-51
Rua Mandaguaçu, 534 – Sobre Loja – Bairro
Emiliano Perneta - 83324-430 - Pinhais – PR.
Central de Relacionamento JML:
41 3595.9999
Orientações JML: 41 3595.9997
WhatsApp: 41 9 9622.6851