Blog JML - JURISPRUDÊNCIA COMENTADA: O DEVER DE A ADMINISTRAÇÃO OBSERVAR A ORDEM DE CLASSIFICAÇÃO DAS COTAÇÕES NAS CONTRATAÇÕES POR DISPENSA DE LICITAÇÃO. - Blog JML - Cursos, Capacitação e Aperfeiçoamento, Seminários, Eventos e Consultoria em Licitação - Excelência em Soluções Jurídicas
JURISPRUDÊNCIA COMENTADA: O DEVER DE A ADMINISTRAÇÃO OBSERVAR A ORDEM DE CLASSIFICAÇÃO DAS COTAÇÕES NAS CONTRATAÇÕES POR DISPENSA DE LICITAÇÃO. ... 11 de Março de 2022
COMPARTILHE:

 


A preterição, em dispensa de licitação, da ordem de classificação das empresas que apresentam cotações de produtos viola os princípios da isonomia e da legalidade (arts. 3º e 50 da Lei 8.666/1993). (Acórdão 445/2022 Segunda Câmara, Rel. Ministro Aroldo Cedraz)


O caso concreto analisado pela Corte Federal de Contas referia-se a uma contratação por dispensa de licitação com fundamento no art. 24, IV, ou seja, uma contratação em caráter emergencial, realizada por municipalidade com recursos provenientes Programa Nacional de Alimentação Escolar.


A instrução dos autos revelou que, das cotações recebidas pela Administração Municipal, não foi possível aproveitar a de valor mais baixo, portanto, a “primeira colocada”. Em vista disso, a Administração celebrou contrato com o terceiro menor preço, isto é, a “terceira colocada”, preterindo, portanto, a posição de empresa que teria melhor preço dentre as remanescentes. O Tribunal entendeu, na oportunidade, que mesmo se tratando de uma contratação direta, a preterição da segunda melhor proposta configurou violação ao dever de isonomia e da legalidade.


Por fim, após não acolher as justificativas da autoridade municipal, o Relator propôs aplicação de multa ao mesmo, o que foi acompanhado pelos demais Ministros votantes.


 

COMENTÁRIOS
Antes de aprofundar no caso concreto, é de bom alvitre que se esclareça que o processo de trabalho relacionado à investigação de mercado nas contratações por licitação é distinto daquele realizado nas contratações diretas.


No processo licitatório, a pesquisa de mercado para o fim de obter o valor estimado da contratação, é realizado previamente ao processo de escolha do fornecedor, que é a licitação propriamente dita. Ou seja, primeiro a Administração vai ao mercado investigar a curva de preços e dela extrair a média, para o fim de dar subsídio à tomada de decisão da autoridade competente quanto à conveniência e oportunidade em contratar, bem como possibilitar a reserva orçamentária, preparando a Administração para a despesa quer está por vir. Somente após — com a realização do torneio — é que se escolherá o executor, que, necessariamente, será o autor da proposta mais vantajosa.[1]


Na inexigibilidade de licitação, ocorre o inverso. Primeiro se escolhe o executor — seja porque é exclusivo na comercialização do objeto; seja porque foi reconhecido o mais adequado à sua plena satisfação (notório especialista)[2]. Após a escolha, é que a Administração vai ao mercado verificar se o preço proposto pelo executor está de acordo com o que vem praticando em outros contratos assemelhados.


Na dispensa de licitação, o procedimento de investigação de mercado é concomitante com o de escolha do executor. Na medida em que se investiga o mercado, também se executa o processo de escolha do fornecedor. Após o recebimento das propostas já se saberá quem será a pessoa do contratado.


Diferentemente da inexigibilidade, em que a licitação é inviável, na dispensa de licitação a realização do torneio é perfeitamente possível, isto é, o objeto permite cotejamento de propostas por meio de critérios objetivos de aferição. Trata-se apenas de uma alternativa à licitação para os casos nos quais a lei admite o afastamento do dever de licitar.


É muito comum nos órgãos públicos que o processo de escolha do executor, nas dispensas de licitação, seja realizado partindo do encaminhamento, pelo Setor de Compras (ou outro correlato), de pedidos de cotações direcionados a empresas do ramo pertinente ao objeto pretendido e, a partir do recebimento de pelo menos três propostas, dentre elas, direcionar a escolha àquela que cotou o menor preço.


Quanto à escolha do executor (ou vendedor), nenhum problema pelo fato de a indicação ser feita diretamente pelo setor responsável, pois é ínsito da atividade de contratação por dispensa de licitação, a escolha ser um ato com certo grau de discricionariedade. Assim já se manifestou a Corte Federal de Contas:


Nas contratações diretas não há que se falar em direcionamento ilícito, pois a escolha do contratado é opção discricionária do gestor, desde que satisfeitos os requisitos estabelecidos no art. 26 da Lei 8.666/1993: justificativa do preço, razão da escolha do contratado e, se for o caso, caracterização da situação emergencial. (TCU, Ac. 1.157/2013, Plenário. Rel. Min. Benjamim Zymler, julg. em 15/05/2013)


No entanto, não é pelo fato de que a licitação possa ser dispensada que o gestor passaria a gozar de ampla liberdade para escolher o executor ao seu próprio alvedrio. A discrição é temperada pelos princípios da eficiência e da razoabilidade. Importa lembrar que o objeto seria perfeitamente licitável e, por isso mesmo, os preceitos licitatórios devem ser respeitados naquilo que couber. Sobre esse ângulo de visão, Marçal Justen Filho[3] anota a seguinte lição:


Não seria absurdo afirmar que a contratação direta é uma forma extremamente anômala de licitação. (...) Não se confunde a contratação direta com os casos de concorrência, tomada de preços etc. Mas a contratação direta pressupõe um procedimento formal prévio, destinado a produzir a melhor escolha possível para a Administração.


Dito isto, fica mais fácil entender o raciocínio que permeou a decisão em tela. O Relator do julgado fundamenta a decisão, citando o art. 50, da Lei nº 8.666/1993, cujo teor é o seguinte:


Art. 50. A Administração não poderá celebrar o contrato com preterição da ordem de classificação das propostas ou com terceiros estranhos ao procedimento licitatório, sob pena de nulidade.


Notem que o dispositivo invocado fala em ordem de classificação no procedimento licitatório, mas o Tribunal emprestou, corretamente, a nosso aviso, interpretação extensiva para o caso das dispensas de licitação. Ora, se o objeto é cotejável, desaparece a discrição do gestor quanto à escolha do futuro executor e, por isso deve atentar para a escolha da proposta mais vantajosa.


Nessa ordem de ideias, recebidas as propostas e escoimadas aquelas que não atendem aos critérios de aceitabilidade impostos, a escolha deve recair no autor do menor preço. Não sendo viável contratar o autor do menor preço, por exemplo, porque se acha em débito perante o sistema de seguridade social, a próxima investida necessariamente deverá ser a proposta do autor do segundo melhor preço, e assim sucessivamente, até que se ache a proposta mais vantajosa e viável, tal qual o seria em um procedimento licitatório regular. Como se trata de circunstância em que a licitação seria possível, ou seja, o objeto admite cotejamento de propostas por critérios objetivos de comparação, a escolha que não resulte na proposta mais vantajosa dentre as possíveis, indubitavelmente, viola o dever de eficiência e razoabilidade.


Mas, o Tribunal de Contas da União foi um pouco mais além ao reconhecer que, mesmo nas contratações por dispensa de licitação, o autor da proposta mais vantajosa possui direito subjetivo à convocação, caso a Administração proceda à contratação do objeto, exatamente como o seria se estivesse participando de um certame licitatório. Tanto que entendeu que, no caso analisado, ao preterir a proposta mais vantajosa, a Administração teria violado os princípios da isonomia (igualdade de condições entre os participantes) e da legalidade (violação direta ao art. 50, da Lei nº 8.666/1993).


Sempre defendi que o procedimento da contratação direta, mormente nos casos de dispensa, deve, tanto quanto possível, respeitar os princípios atinentes ao dever geral de licitar, dentre eles, o da competitividade, o da seleção da proposta mais vantajosa e o da isonomia.


Em primeiro lugar, devem ser consultadas o maior número possível de empresas do ramo pertinente, não sendo adequado, em homenagem ao princípio da eficiência e da razoabilidade, que o órgão se contente com apenas três cotações como vem sendo adotado por muitos órgãos como praxe. Nesse sentido:


Consulte, nas contratações em que seja aplicável a hipótese de dispensa de licitação, o maior número de possível de propostas de potenciais interessados, de modo a aperfeiçoar parâmetros de comparação quanto a escolha do fornecedor, do objeto a ser executado e a razoabilidade dos preços cotados. (TCU, Acórdão 21/2006 Segunda Câmara. Rel. Min. Benjamim Zymler, julg. em 24/01/2006)


O procedimento de Dispensa de Licitação Eletrônica, instituído pela nova lei de licitações e regulado pela Instrução Normativa nº 067/2021/SEGES/ME, até permite que a divulgação da oportunidade sem que haja investigação de mercado prévia, para qualquer das hipóteses de contratação direta, sendo que a recepção de propostas funcionaria como a própria investigação de mercado. Tal procedimento torna mais transparente o procedimento, que deixa de ser executado na mesa de trabalho do agente responsável, e passa a ser auditável, inclusive pela sociedade. Com a total implementação da Lei nº 14.133/2021, ficará aberta a caixa preta das contratações diretas dos órgãos e entidades da Administração Pública, exemplo que deveria ser seguido pelos regulamentos das Estatais, que não são alcançadas pela nova lei geral de licitações e contratos.


Por fim, anote-se que nos casos de dispensa emergencial, como foi o caso em estudo, a depender da criticidade da situação, pode ser que não haja tempo necessário para que se aguarde a chegada de um número maior de propostas, o que poderia acabar provocando uma contratação com preços não tão vantajosos. Tal situação poderá ser justificada desde que demonstrada a imprescindibilidade da execução do objeto no menor tempo possível. Não foi o caso tratado no julgado, uma vez que a edilidade dispunha de ao menos três propostas, o que lhe permitiria escolher a mais vantajosa dentre elas.


 



[1]Independentemente do tipo de licitação, (menor preço, melhor técnica ou melhor técnica e preço) o vencedor sempre será o autor da proposta mais vantajosa.


[2]Sobre a contratação de serviços fulcrados no art. 25, II da L. 8.666/1993, vide: Um estudo completo sobre a hipótese de inexigibilidade de licitação para contratação de serviços técnicos especializados, Revista do Tribunal de Contas da União, nº 143, págs. 4-31. Disponível em: n. 143 (2019): Revista TCU | Revista do TCU


[3]JUSTEN FILHO, Marçal. Comentários à Lei de Licitações e Contratos Administrativos. 15a ed., São Paulo: Dialética, 2012, pág. 228.

Conheça as soluções do Grupo JML!
escolha os serviços de seu interesse
COMPARTILHE:
!
A opinião emitida nos textos é de total responsabilidade de seus autores e não corresponde, necessariamente, aos entendimentos do Grupo JML.
Pregão Eletrônico 23 de Maio de 2022
QUEM TEM COMPETÊNCIA PARA JULGAR RECURSOS NO PREGÃO ELETRÔNICO?
Por: Carmen Iêda Carneiro Boaventura e Christianne de Carvalho Stroppa.
leia mais
Nova Lei de Licitações 18 de Abril de 2022
QUAL O TRATAMENTO JURÍDICO CONFERIDO À NEGOCIAÇÃO NA LEI 14.133/21?
Por: Danielle Regina Wobeto de Araujo.
leia mais
Contrato 18 de Abril de 2022
SOBRE A PERSPECTIVA DA LEI 8.666/93, CONSIDE rand O QUE O PRAZO DE VIGÊNCIA NO CONTRATO CONSTOU DE FORMA EQUIVOCADA, E QUE SUA ALTERAÇÃO NÃO ACARRETARÁ QUALQUER MUDANÇA NA SUBSTÂNCIA DO CONTRATO, QUAL O INSTRUMENTO ADEQUADO PARA A CORREÇÃO DESSE ERRO MATERIAL?
Por: Grupo JML - Consultoria.
leia mais
Empresa Estatal 18 de Abril de 2022
OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO: REQUISITOS PARA O AFASTAMENTO DAS REGRAS DE LICITAÇÃO COM ESTEIO NO MARCO NORMATIVO DAS EMPRESAS ESTATAIS
Por: Cynthia Póvoa de Aragão e Renila Lacerda Bragagnoli.
leia mais
Nova Lei de Licitações 11 de Abril de 2022
LEI 14.133/2021. PAGAMENTOS DEVIDOS PELA ADMINISTRAÇÃO. ORDEM CRONOLÓGICA DE EXIGIBILIDADE.
Por: Grupo JML - Consultoria e Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
Qualificação técnica 04 de Abril de 2022
LICITAÇÃO. QUALIFICAÇÃO TÉCNICA. CONSELHO DE FISCALIZAÇÃO PROFISSIONAL. EXIGÊNCIA. ESTATAIS. LIMITES E APLICAÇÃO EXTENSIVA DA LEI 8.666/93 COMBINADA COM A LEI 6.839/1980 À LEI 13.303/16. ACÓRDÃO Nº 2.615/2021 – TCU – PLENÁRIO
Por: Danielle Regina Wobeto de Araujo.
leia mais
Lei Geral de Proteção de Dados - LGPD 28 de Março de 2022
LEI GERAL DE PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS: DOS PRINCIPAIS CONCEITOS À IMPLEMENTAÇÃO
Por: Débora Minuncio e Sandro Tomazele.
leia mais
Nova Lei de Licitações 21 de Março de 2022
BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DECRETO Nº 10.947/2022: NORMATIVO REGULAMENTADOR DO PLANO DE CONTRATAÇÕES ANUAL NO ÂMBITO FEDERAL
Por: Angelina Souza Leonez.
leia mais
Sistema "S" 18 de Março de 2022
SISTEMA S. INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO. CREDENCIAMENTO. LEGITIMIDADE. REQUISITOS.
Por: Danielle Regina Wobeto de Araujo.
leia mais
Nova Lei de Licitações 07 de Março de 2022
A NOVA LEI DE LICITAÇÕES E O CAPÍTULO “CONTROLE DAS CONTRATAÇÕES” NA PERSPECTIVA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS.
Por: Alessandro Macedo.
leia mais
Sistema "S" 28 de Fevereiro de 2022
PANDEMIA DE COVID-19 NAS ORGANIZAÇÕES: ESTRATÉGIAS E AÇÕES DO SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DO CEARÁ– SESC-CE NO CONTEXTO DA PANDEMIA
Por: Lorena Braga Wendt Fernandes.
leia mais
Nova Lei de Licitações 23 de Fevereiro de 2022
A “NOVA” SISTEMÁTICA DO PREGÃO ELETRÔNICO NA LEI Nº 14.133/2021: UMA ANÁLISE SOBRE O PROCEDIMENTO DE HABILITAÇÃO
Por: Angelina Souza Leonez, Carmen Iêda Carneiro Boaventura, Victor Aguiar Jardim de Amorim.
leia mais
Nova Lei de Licitações 21 de Fevereiro de 2022
A REPACTUAÇÃO NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES E OS CUIDADOS ESSENCIAIS
Por: Gustavo Cauduro Hermes.
leia mais
Obras 16 de Fevereiro de 2022
UM ENSAIO SOBRE “OBRAS COMUNS DE ENGENHARIA” NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS
Por: Rafael Jardim Cavalcante.
leia mais
Nova Lei de Licitações 11 de Fevereiro de 2022
DILIGÊNCIAS. POSSIBILIDADE DE JUNTADA DE NOVOS DOCUMENTOS. LIMITES E ALCANCE NO ÂMBITO DAS LICITAÇÕES PÚBLICAS.
Por: Danielle Regina Wobeto de Araujo.
leia mais
Sistema "S" 07 de Fevereiro de 2022
SISTEMA S. CONCORRÊNCIA. ATA DE REGISTRO DE PREÇOS. NÃO ADOÇÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO. ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL. IRREGULARIDADES. ACÓRDÃO 1737/2021 – TCU – PLENÁRIO
Por: Lincoln Proença.
leia mais
Sistema "S" 02 de Fevereiro de 2022
NOVA LEI DE LICITAÇÕES E O SISTEMA“S”
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
Sistema "S" 26 de Janeiro de 2022
ALTERAÇÕES NO REGULAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS DO SEBRAE - PARTE 2
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
Utilizamos cookies (e/ou tecnologia de rastreamento de dados) para saber como você interage com nosso Portal (Sites de serviços online, Hotsites e Landing Pages). Usamos esta informação para melhorar sua experiência e para metrificar visitantes. Para entender mais sobre o que utilizamos, veja nossas Políticas de Privacidade de Dados: Política de Privacidade e Política de Cookies.
ACEITAR