Blog JML - DE ACORDO COM A LEI 14.133/21 PODE A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LICITAR CONTRATAR ARTIGOS DE LUXO? - Blog JML - Cursos, Capacitação e Aperfeiçoamento, Seminários, Eventos e Consultoria em Licitação - Excelência em Soluções Jurídicas
DE ACORDO COM A LEI 14.133/21 PODE A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LICITAR CONTRATAR ARTIGOS DE LUXO? ... 27 de Agosto de 2021
COMPARTILHE:
A Nova Lei de Contratações veda expressamente à Administração Pública a aquisição de produtos ou serviços de artigos de luxo no art. 20 e seus parágrafos, diferentemente do texto normativo da Lei 8.666/93, do qual se infere implicitamente tal proibição a partir do princípio da proporcionalidade.
 
Apesar do artigo não definir o que seria “artigos de luxo”, ou seja, mesmo estando diante de um conceito indeterminado, que ainda merece ser regulamentado (§ 1º), deve a Administração optar por itens de consumo de “qualidade comum, não superior à necessária para cumprir as finalidades às quais se destinam” (art. 20, caput). 
 
Assim, ainda que um produto/serviço possa se caracterizar como de luxo para uma repartição comum, e, ao mesmo tempo, possa se particularizar como um produto/serviço comum em uma Embaixada, por exemplo, em qualquer dessas hipóteses, está obrigada a Administração a justificar acerca da necessidade e compatibilidade com a finalidade da contratação, sob pena de transgressão aos princípios da economicidade e da moralidade administrativa, bem como a jurisprudência do TCU (Acórdãos 1895/21, 2.924/2019 e 2.155/2012, todos do Plenário). 

Por fim, a propósito da necessidade de Regulamentação do dispositivo legal anteriormente mencionado, oportuno registrar que o TCU fez consulta pública da minuta da Portaria que irá dispor sobre o enquadramento dos bens de consumo nas categorias de qualidade comum e de luxo, no âmbito da Administração Pública federal direta, autárquica e fundacional. Mesmo que ainda não publicado aludida norma, oportuno conhecer o texto normativo, que, por ora, serve, como parâmetro. Confira no link: clique aqui
Por fim, a propósito da necessidade de Regulamentação do dispositivo legal anteriormente mencionado, oportuno registrar que o TCU fez consulta pública da minuta da Portaria que irá dispor sobre o enquadramento dos bens de consumo nas categorias de qualidade comum e de luxo, no âmbito da Administração Pública federal direta, autárquica e fundacional. Mesmo que ainda não publicado aludida norma, oportuno conhecer o texto normativo, que, por ora, serve, como parâmetro. Confira no link: https://www.gov.br/participamaisbrasil/portaria-enquadramento-de-bens-de-consumo. A Nova Lei de Contratações veda expressamente à Administração Pública a aquisição de produtos ou serviços de artigos de luxo no art. 20 e seus parágrafos, diferentemente do texto normativo da Lei 8.666/93, do qual se infere implicitamente tal proibição a partir do princípio da proporcionalidade.
Apesar do artigo não definir o que seria “artigos de luxo”, ou seja, mesmo estando diante de um conceito indeterminado, que ainda merece ser regulamentado (§ 1º), deve a Administração optar por itens de consumo de “qualidade comum, não superior à necessária para cumprir as finalidades às quais se destinam” (art. 20, caput).
Assim, ainda que um produto/serviço possa se caracterizar como de luxo para uma repartição comum, e, ao mesmo tempo, possa se particularizar como um produto/serviço comum em uma Embaixada, por exemplo, em qualquer dessas hipóteses, está obrigada a Administração a justificar acerca da necessidade e compatibilidade com a finalidade da contratação, sob pena de transgressão aos princípios da economicidade e da moralidade administrativa, bem como a jurisprudência do TCU (Acórdãos 1895/21, 2.924/2019 e 2.155/2012, todos do Plenário).
Por fim, a propósito da necessidade de Regulamentação do dispositivo legal anteriormente mencionado, oportuno registrar que o TCU fez consulta pública da minuta da Portaria que irá dispor sobre o enquadramento dos bens de consumo nas categorias de qualidade comum e de luxo, no âmbito da Administração Pública federal direta, autárquica e fundacional. Mesmo que ainda não publicado aludida norma, oportuno conhecer o texto normativo, que, por ora, serve, como parâmetro. Confira no link: https://www.gov.br/participamaisbrasil/portaria-enquadramento-de-bens-de-consumo. A Nova Lei de Contratações veda expressamente à Administração Pública a aquisição de produtos ou serviços de artigos de luxo no art. 20 e seus parágrafos, diferentemente do texto normativo da Lei 8.666/93, do qual se infere implicitamente tal proibição a partir do princípio da proporcionalidade.
Apesar do artigo não definir o que seria “artigos de luxo”, ou seja, mesmo estando diante de um conceito indeterminado, que ainda merece ser regulamentado (§ 1º), deve a Administração optar por itens de consumo de “qualidade comum, não superior à necessária para cumprir as finalidades às quais se destinam” (art. 20, caput). 
Assim, ainda que um produto/serviço possa se caracterizar como de luxo para uma repartição comum, e, ao mesmo tempo, possa se particularizar como um produto/serviço comum em uma Embaixada, por exemplo, em qualquer dessas hipóteses, está obrigada a Administração a justificar acerca da necessidade e compatibilidade com a finalidade da contratação, sob pena de transgressão aos princípios da economicidade e da moralidade administrativa, bem como a jurisprudência do TCU (Acórdãos 1895/21, 2.924/2019 e 2.155/2012, todos do Plenário). 
Por fim, a propósito da necessidade de Regulamentação do dispositivo legal anteriormente mencionado, oportuno registrar que o TCU fez consulta pública da minuta da Portaria que irá dispor sobre o enquadramento dos bens de consumo nas categorias de qualidade comum e de luxo, no âmbito da Administração Pública federal direta, autárquica e fundacional. Mesmo que ainda não publicado aludida norma, oportuno conhecer o texto normativo, que, por ora, serve, como parâmetro. Confira no link: https://www.gov.br/participamaisbrasil/portaria-enquadramento-de-bens-de-consumo. 
COMPARTILHE:
!
A opinião emitida nos textos é de total responsabilidade de seus autores e não corresponde, necessariamente, aos entendimentos do Grupo JML.
Lei Geral de Proteção de Dados - LGPD // 20 de Setembro de 2021
LGPD: NECESSIDADE OU OPORTUNIDADE?
Por: Alvino Fernandes do Carmo Neto.
leia mais
NOVA LEI DE LICITAÇÕES // 20 de Setembro de 2021
FISCAL E GESTOR DE CONTRATOS NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
Nova Lei de Licitações // 10 de Setembro de 2021
O QUE SE ENTENDE POR FORMALISMO MODERADO NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES PÚBLICAS?
Por: Danielle Regina Wobeto de Araujo.
leia mais
Nova Lei de Licitações // 09 de Setembro de 2021
QUAL A DIFERENÇA ENTRE SOBREPREÇO E SUPERFATURAMENTO PREVISTOS NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES PÚBLICAS?
Por: Danielle Regina Wobeto de Araujo.
leia mais
Nova Lei de Licitações // 02 de Setembro de 2021
QUAIS SÃO AS NOVIDADES DA NOVA LEI DE LICITAÇÕES PARA AS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE?
Por: Danielle Regina Wobeto de Araujo.
leia mais
Nova Lei de Licitações // 26 de Agosto de 2021
QUAL A MELHOR INTEPRETAÇÃO PARA O ART. 64 DA NOVA LEI DE LICITAÇÕES, QUE TRATA DAS DILIGÊNCIAS, SEGUNDO O TCU?
Por: Danielle Regina Wobeto de Araujo.
leia mais
Nova Lei de Licitações // 26 de Agosto de 2021
PODEMOS AFIRMAR QUE O CRITÉRIO DE JULGAMENTO “MENOR PREÇO”, DISCIPLINADO NO ART. 34 DA LEI 14.133/21, FOI RESSIGNIFICADO SE COMPARADO COM O CONCEITO LEGAL DA LEI 8.666/93?
Por: Danielle Regina Wobeto de Araujo.
leia mais
23 de Agosto de 2021
O CONCEITO DE ERRO GROSSEIRO EMPREGADO PELO TCU PARA FINS DE APLICAÇÃO DE SANÇÃO
Por: Danielle Regina Wobeto de Araujo.
leia mais
Pesquisa de Preços // 19 de Julho de 2021
JURISPRUDÊNCIA COMENTADA: A DISPENSALIDADE DA PESQUISA DE PREÇOS PARA FINS DE PRORROGAÇÃO CONTRATUAL
Por: Luiz Cláudio de Azevedo Chaves.
leia mais
15 de Julho de 2021
QUADRO COMPARATIVO: IN 732020 X IN 65 2021
Por: Grupo JML.
leia mais
Sistema "S" // 14 de Julho de 2021
NOVA LEI DE LICITAÇÕES E O SISTEMA “S”
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
Planejamento // 05 de Julho de 2021
PLANEJAMENTO DAS CONTRATAÇÕES À LUZ DA NOVA LEI DE LICITAÇÕES
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
Inexigibilidade // 30 de Junho de 2021
COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO 6875/2021 – TCU PLENÁRIO
Por: Lincoln Proença.
leia mais
Pregão Eletrônico // 21 de Junho de 2021
JURISPRUDÊNCIA COMENTADA – PREGÃO ELETRÔNICO – SANEAMENTO DE DEFEITOS NA HABILITAÇÃO POR PARTE DO PREGOEIRO E NECESSIDADE DE MOTIVAÇÃO DO ATO
Por: Luiz Cláudio de Azevedo Chaves.
leia mais
Nova Lei de Licitações // 21 de Junho de 2021
DIÁLOGO COMPETITIVO, A MODALIDADE INÉDITA IMPLEMENTADA PELA NOVA LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS
Por: Lincoln Proença.
leia mais
Obras // 26 de Maio de 2021
EMPREITADA POR PREÇO GLOBAL. PAGAMENTO ATRELADO À EFETIVA EXECUÇÃO
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
Licitação // 14 de Maio de 2021
COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO 313.2021 - TCU PLENÁRIO
Por: Lincoln Proença.
leia mais
COVID-19 // 11 de Maio de 2021
COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO 842/2021 TCU PLENÁRIO
Por: Lincoln Proença.
leia mais
Newsletter
Mendes e Lopes Pesquisa, Treinamento e Eventos Ltda.
CNPJ: 07.777.721/0001-51
Rua Mandaguaçu, 534 – Bairro Emiliano Perneta
83324-430 – Pinhais – PR.
Central de Relacionamento JML:
41 3595.9999
Orientações JML: 41 3595.9997
WhatsApp: 41 9 9622.6851
Utilizamos cookies (e/ou tecnologia de rastreamento de dados) para saber como você interage com nosso Portal (Sites de serviços online, Hotsites e Landing Pages). Usamos esta informação para melhorar sua experiência e para metrificar visitantes. Para entender mais sobre o que utilizamos, veja nossas Políticas de Privacidade de Dados: Política de Privacidade e Política de Cookies.
ACEITAR