A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL DA AGENDA POLÍTICA ... 03 de Agosto de 2020
Por: Wesley Vaz.
Categorias: COVID-19.
COMPARTILHE:
No meio de uma pandemia global, entre a maior queda do PIB em décadas e com reformas estruturais sendo negociadas, o Brasil parece ainda não ter despertado para a melhor maneira de modificar os mercados e as políticas públicas em direção ao futuro: a economia digital. A evolução do ambiente digital no Brasil é fundamental para um futuro econômico mais próspero e para uma consciência coletiva sobre os impactos da economia digital na sociedade. A [r]evolução digital do Brasil deve se transformar em uma agenda política nacional.
 
Temas de debates inflamados, episódios recentes como a invasão no twitter de personalidades, debate sobre projeto de lei sobre fake news, bloqueio de contas em redes sociais, telemedicina para tratamento da Covid-19 e debates sobre o leilão 5G têm tido destaque. Em comum, são assuntos que ocupam cada vez mais espaço nas instituições governamentais de todos os Poderes e exemplificam as nuances economia digital e seus impactos na política, na economia e na justiça.
 
Na semana passada, os principais executivos da Amazon, Facebook, Alphabet e Apple testemunharam junto à Comissão de Justiça do Congresso Americano. O motivo: se defenderem da tese de atuação predatória nos seus mercados, virtualmente sem concorrentes, resultando em excesso de poder. As quatro empresas somam US$ 5 trilhões em valor de mercado, o equivalente a aproximadamente três vezes o valor do PIB do Brasil. O foco da defesa sincronizada das Big Techs foi nos milhões de empregos, nos bilhões investidos em pesquisa e na melhoria da vida de alunos, profissionais liberais e pessoas comuns que utilizam as suas plataformas. A discussão não era sobre os benefícios inegáveis dos líderes globais da indústria digital, mas sobre os riscos e os limites de atuação que uma liderança tão expressiva impõe ao mercado e à sociedade.
 
Alçar a evolução digital do país a uma pauta nacional significa tornar o assunto prioritário e, acima de tudo, compreensível. Aumentar a maturidade institucional sobre as características da economia digital, seus atores, seus benefícios e seus riscos é fundamental. Com um smartphone por pessoa, país é o terceiro maior produtor de unicórnios em 2019 (atrás de China e EUA). Por outro lado, o Brasil é o 66 no ranking de inovação e possui um dos maiores déficits de profissionais de tecnologia do mundo. As incoerências do país também se refletem na economia digital, e esses desequilíbrios precisam ser enfrentados.

Valorizar o ecossistema de tecnologia e de dados é fundamental para construir a “soberania energética” de agora e do futuro. As iniciativas de incentivo à evolução do ambiente digital devem ser duradouras e agressivas, especialmente nas áreas em que o país é e deveria ser destaque mundial – agronegócio e indústrias limpas, por exemplo.
 
As tecnologias e os métodos da nova economia são viabilizadores da transformação de mercados e de governos. Por ser uma indústria transversal, que habilita e transforma as demais áreas de negócio, os serviços e produtos digitais são fundamentais para sustentar as mudanças, especialmente as decorrentes das reformas estruturais que estão por vir. Reduzir o debate sobre as reformas e as políticas públicas aos aspectos do mundo jurídico, econômico e fiscal é condição necessária para um bom desenho do mundo teórico, mas muitas vezes insuficiente para impor às ações uma viabilidade prática de produzir os efeitos esperados. 
 
O uso da mentalidade e das ferramentas digitais é a forma atual de viabilizar soluções efetivas, rápidas e em grande escala. O monitoramento dos infectados da Covid-19, o incentivo ao trabalho à distância, a inclusão digital de alunos e a transparência social são exemplos que reforçam a importância do uso dos recursos da indústria digital para resolver alguns dos problemas que enfrentamos neste momento.
 
A própria ONU reconhece a importância de aumentar a sua capacidade digital ao aprovar recentemente a sua estratégia de dados, que propõe a utilização e governança de informações em substituição à burocracia. O objetivo da estratégia é por uma abordagem orientada a dados, que forneça valor imediato à organização e que reforce o impacto e a integridade de suas ações. 
 
A boa notícia: o ecossistema digital no país já existe e se fortalece a cada dia. Profissionais, empresários, políticos, pensadores, associações, startups, aceleradoras e universidades anseiam pelo dia em que a economia digital no Brasil se transforme em discussão política ampla, em tema de debate eleitoral e em pauta estratégica dentro dos governos. Sem isso, o ritmo é mais lento do que poderia, além da convivência com o risco concreto de ameaça da soberania, perda de mercado e de profissionais capacitados (já insuficientes!) e prejuízo das nossas ideias mais promissoras permanecerem no papel. 
 
Para as vocações históricas e futuras do Brasil, a melhoria na economia digital é a saída inevitável para a inclusão profissional e o aumento da produtividade e da escala. Tornar a pauta digital uma estratégia nacional efetiva nos permitirá avançar para além de discussões regulatórias, concessões tributárias localizadas ou a simples instrumentalização de procedimentos burocráticos já existentes. 
 
A transformação digital da agenda política é o caminho. O suporte de alto nível, os incentivos inteligentes e ações coordenadas de educação formal e profissional servirá para que surjam relações de confiança inéditas, novos atores e uma agenda moderna de reinvenção dos arranjos produtivos. A [r]evolução digital do Brasil pode ser a forma mais promissora de tornar viável e real uma expectativa de futuro mais otimista.
 
*As opiniões contidas no texto são pessoais e não expressam o posicionamento institucional do Tribunal de Contas da União.


Fonte: https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/a-transformacao-digital-da-agenda-politica/
COMPARTILHE:
!
A opinião emitida nos textos é de total responsabilidade de seus autores e não corresponde, necessariamente, aos entendimentos do Grupo JML.
Proposta // 24 de Setembro de 2020
JURISPRUDÊNCIA COMENTADA - ACEITAÇÃO DE MARCA DIVERSA DA ACEITA NA PROPOSTA
Por: Luiz Cláudio de Azevedo Chaves.
leia mais
Sistema "S" // 17 de Setembro de 2020
A LEI GERAL DE PROTEÇÃO DE DADOS NO SISTEMA S: ASPECTOS RELEVANTES
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
11 de Setembro de 2020
REPACTUAÇÃO DE CONTRATOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DE MÃO DE OBRA
Por: José Anacleto Abduch Santos.
leia mais
COVID-19 // 04 de Setembro de 2020
PANDEMIA E DISPENSA, PARCELAMENTO, COMPENSAÇÃO E SUSPENSÃO DA COBRANÇA DE DÉBITO RESULTANTE DE MULTAS ADMINISTRATIVAS: IN Nº 43/20
Por: José Anacleto Abduch Santos.
leia mais
Contratação Pública // 28 de Agosto de 2020
ERRO GROSSEIRO NO PROCESSO DA CONTRATAÇÃO PÚBLICA
Por: José Anacleto Abduch Santos.
leia mais
Compras Públicas // 24 de Agosto de 2020
NOVIDADES A CAMINHO: ADESÃO DO BRASIL AO ACORDO DE COMPRAS GOVERNAMENTAIS – GPA
Por: José Anacleto Abduch Santos.
leia mais
Contratação Direta // 17 de Agosto de 2020
Reflexões sobre a Lei 14.039/2020 e a contratação direta de serviços prestados por advogados e profissionais de contabilidade
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado.
leia mais
Sistema "S" // 13 de Agosto de 2020
INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO. CONTRATAÇÃO DE NOTÓRIO ESPECIALISTA. SERVIÇO TÉCNICO PROFISSIONAL ESPECIALIZADO.
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
COVID-19 // 29 de Julho de 2020
PERDA DA EFICÁCIA DA MP 927/2020
Por: Diego Ávila.
leia mais
Obras // 28 de Julho de 2020
OS TIPOS DE EMPREITADA PREVISTOS NA LEI 8.666: VOCÊ SABE QUANDO UTILIZAR CADA UM DELES?
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado.
leia mais
SRP // 24 de Julho de 2020
SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS. COTAÇÃO PARCIAL DOS ITENS LICITADOS. QUANTIDADE MÍNIMA.
Por: JML Consultoria.
leia mais
Dispensa de Licitação // 22 de Julho de 2020
A CONTRATAÇÃO DE CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO SISTEMA EAD, COMO SOLUÇÃO PARA TEMPOS DE PANDEMIA
Por: Luiz Cláudio de Azevedo Chaves.
leia mais
Licitação // 21 de Julho de 2020
PROCESSOS LICITATÓRIOS E AS SESSÕES PRESENCIAIS EM TEMPOS DE PANDEMIA
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado.
leia mais
COVID-19 // 16 de Julho de 2020
ESTUDOS AVANÇADOS SOBRE O COVID-19: GOVERNANÇA, COMPLIANCE, GESTÃO DE RISCOS E PROTEÇÃO DE DADOS.
Por: Rodrigo Pironti.
leia mais
Empresa Estatal // 13 de Julho de 2020
NORMAS TEMPORÁRIAS SOBRE LICITAÇÕES E CONTRATOS SOB A ÓTICA DAS EMPRESAS ESTATAIS: A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 926/2020, A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 951/2020 E A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 961/2020
Por: Renila Bragagnoli.
leia mais
Pequenas empresas // 02 de Julho de 2020
COVID-19 E FOMENTO ÀS PEQUENAS EMPRESAS
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
Licitação // 25 de Junho de 2020
PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONATÓRIO DE MULTAS EM LICITAÇÕES E CONTRATOS: BREVE ENSAIO SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 43/2020 DA SECRETARIA DE GESTÃO DO MINISTÉRIO DA ECONOMIA
Por: Luciano Elias Reis.
leia mais
Sustentabilidade // 16 de Junho de 2020
IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO PARA O SUCESSO DAS CONTRATAÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA “S”
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini.
leia mais
Newsletter
Mendes e Lopes Pesquisa, Treinamento e Eventos Ltda.
CNPJ: 07.777.721/0001-51
Rua Mandaguaçu, 534 – Sobre Loja – Bairro
Emiliano Perneta - 83324-430 - Pinhais – PR.
Central de Relacionamento JML:
41 3595.9999
Orientações JML: 41 3595.9997
WhatsApp: 41 9 9622.6851